Comportamentos autolesivos, ajuste psicológico e relações familiares em adolescentes da região amazônica no Brasil

Maria Letícia Coelho de Oliveira, Diego Gomez Baya, Gina Tomé, Marta Reis, Juliana Maltoni, Carmem Beatriz Neufeld, Margarida Gaspar de Matos, Carolina Lisboa

Resumen


A adolescência é um período de importantes transformações mentais e orgânicas e uma das estratégias para a experiência de emoções negativas é a autolesão. O objetivo deste trabalho foi investigar a presença de comportamentos de autolesão em adolescentes e a associação entre a sintomatologia de ansiedade, depressão e a percepção dos adolescentes quanto ao seu relacionamento com seus pais. Este trabalho insere-se em um projeto maior, denominado Health Behavior in School-Aged Children (HBSC). O recorte se propõe investigar os adolescentes da Região Norte do Brasil (Amazônia). Os instrumentos utilizados foram o Children’s Depression Inventory (CDI), o Spence Children's Anxiety Scale (SCAS) e o Questionário (HBSC). A amostra foi composta de 507 estudantes de Rondônia, de 13 a 15 anos. A análise dos dados da pesquisa foi realizada por meio de medidas de comparação de média, de porcentagem (teste t e qui-quadrado) e de análise de variâncias. Os resultados apontam que os jovens que se autolesionam apresentam maiores índices de depressão e ansiedade e que a falta de percepção de apoio familiar correlaciona-se diretamente à prática da autolesão. Uma melhor compreensão da saúde mental e emocional na adolescência, proporcionará aos adolescentes maior acolhimento relacionado aos seus conflitos internos.


Palabras clave


Autolesão; Depressão Reativa; Relações Familiares

Texto completo:

PDF           Cómo citar un elemento

Referencias


Arcoverde, R. L., & Soares, L. S. L. (2011). Funções Neuropsicológicas Associadas a Condutas Autolesivas: Revisão Integrativa de Literatura. Psicologia: reflexão e crítica, 25 (2), 293-300.

Barlow, D. H. (2016). Manual clínico dos transtornos psicológicos: tratamento passo a passo. Porto Alegre, Artmed.

Barbosa, X. C. (2015). Território e saúde: políticas públicas de combate à dengue em Porto Velho/RO, 1999-2013. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO.

Barrocas, A. L., Giletta, M., Hankin, B. L., Prinstein, M. J., & Abela, J. R. Z. (2015). Nonsuicidal self-injury in adolescence: longitudinal course, trajectories, and intrapersonal predictors. Journal of Abnormal Child Psychology, 43, 369-380.

Benchaya, M. C., Bisch, N. K., Moreira, T. C., Ferigolo, M., & Barros, H. M. T. (2011). Pais não autoritativos e o impacto no uso de drogas: a percepção dos filhos adolescentes. Jornal de Pediatria, 87(3), 238-244. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572011000300010

Cedaro, J. J., & Nascimento, J. P. G. (2013). Dor e gozo: Relatos de mulheres jovens sobre automutilações. Psicologia USP, 24(2), 203-223. Doi: 10.1590/S0103-65642013000200002

Cerqueira-Santos, E., Melo Neto, O. C., & Koller, S. H. (2014). Adolescentes e Adolescências. In: Habgzang, L. F., Dei Schiro, E. D. B., Koller, S. H. Trabalhando com Adolescentes. 1. ed. Porto Alegre. Artmed, 17-29.

Costello, E.J., Egger, H.L., Copeland, W. & Angold, A. (2011). The developmental epidemiology of anxiety disorders: phenomenology, prevalence, and comorbidity. Anxiety disorders in children and adolescentes: Research, assessment and intervention. 56–75.

Currie, C., Roberts, C., Morgan, A., Smith, R., Settertbulte, W., Samdal, O., & Rasmussen, V. (Eds.). (2004). HBSC and WHO cross national study: research protocol for the 2001/2002 survey. Copenhagen: World Health Organization.

Currie, C., Zanotti, C., Morgan, A., Currie, D., & Barnekow, V. (Eds.). (2012). Social determinants of health and well-being among young people: Health Behaviour in School-aged Children (HBSC) study: International Report From the 2009/2010 survey. Copenhagen: World Health Organization. Recuperado de http://www. euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0003/163857/Social-de-terminants-of-health-and-well-being-among-young-people.pdf

Darwin, C. (2009). A expressão das emoções no homem e nos animais. São Paulo: Companhia das letras.

DeSousa, D. A., Pereira, A. S., Petersen, C.S., Manfro, G.G., Salum, G.A., & Koller, S.H. (2014b). Psychometric Properties of the Brazilian-Portuguese version of the Spence Children’s Anxiety Scale (SCAS): self- and parent-report versions. Journal of Anxiety Disorders, 28(5), 427-436.

Edelman, S. (2014). Basta pensar diferente: como a ciência pode ajudar você a ver o mundo por novos olhos. São Paulo: Editora Fundamento Educacional.

Gouveia, V. V., Barbosa, G. A., Almeida, H. J. F., & Gaião, A. A. (1995). Inventário de Depressão Infantil – CDI: estudo de adaptação com escolares de João Pessoa. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 44, 345-349.

Guerreiro, D. F., Sampaio, D. & Figueira, M. L. (2014). Relatório da investigação "Comportamentos autolesivos em adolescentes: Características epidemiológicas e análise de fatores psicopatológicos, temperamento afetivo e estratégias de coping". Lisboa: Universidade de Lisboa.

Inchley, J., Currie, D., Young, T., Samdal, O., Torsheim, T., Augustson, L., et al. (Eds.). (2016). Growing up unequal: gender and socioeconomic differences in young people's health and well-being. Health Behaviour in School-aged Children (HBSC) study: international report from the 2013/2014 survey. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe (Health policy for children and adolescents, No 7).

Jordão, A. B., & Ramires, V. R. R. (2010). Vínculos Afetivos de Adolescentes Borderline e seus Pais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(1), 89-98. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000100011

Kovacs, M. (2003). Children’s Depression Inventory (CDI): Technical Manual Update. Toronto: Multhi-Health Systems Inc.

Lisboa, C. S. M., Wendt, G. W., Neufeld, C. B., & Matos, M. G. (2014). Satisfação com a vida e com a família e violência interpessoal na adolescência. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. 10(1), 19-28. Doi: http://dx.doi.org/10.5935/1808-5687.20140004

Macedo, D. M., Petersen, C. S., & Koller, S. H. (2017). Desenvolvimento Cognitivo, socioemocional e físico na adolescência e as terapias cognitivas contemporâneas. In: Neufeld, C. B (Org). Terapia Cognitivo-Comportamental para adolescentes: uma perspectiva transdiagnóstica e desenvolvimental. Porto Alegre: Artmed.

Matos, M. G., & Sampaio, D. (2009). Debate e repercurssões na política educativa e de saúde. In: Matos, M. G., & Sampaio, D. (Orgs). Jovens com Saúde: diálogo com uma geração. Lisboa: Texto Editores, LDA.

Matos, M. G., Simões, C., Tomé, G., Camacho, I., Ferreira, M., L., & Aventura Social & Saúde. (2011). Aventura social & saúde: A saúde dos adolescentes portugueses: Relatório do estudo HBSC 2010 [Social adventure & Health: The health of Portuguese adolescentes: Report of the 2010 HBSC study]. Cruz Quebrada: Faculdade de Motrocidade Humana.

Matos, G. M., Simões, C., Camacho, I., Reis, M., & Equipa Aventura Social (2015). A saúde dos adolescentes portugueses em tempos de recessão - dados nacionais do estudo HBSC de 2014. Lisboa: Centro de Malária e Outras Doenças Tropicais /IHMT/UNL e FMH/ Universidade de Lisboa.

Matos, M. G. & Equipa Aventura Social (2018). A saúde dos adolescentes após a recessão. Relatório do estudo Health Behaviour in School Aged Children (HBSC) em 2018 (ebook). Disponível em www.aventurasocial.com

Neufeld, C. B. (2015). Terapia cognitivo comportamental em grupo para crianças e adolescentes. (1a ed). Porto Alegre: Artmed.

Nogueira, J. M. (2017). Indicadores e comportamentos de saúde em adolescentes de 13 anos de Ribeirão Preto. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Reis, M., Figueira, I., Ramiro, L., & Matos, M. G. (2012). Jovens e comportamentos de violência autodirigida. In: Matos, M. G., & Tomé, G. Aventura Social: Promoção de competências e do capital social para um empreendendorismo com saúde na escola e na comunidade. Lisboa: Placebo Editora.

Rodrigues, M. (2015). Educação Emocional Positiva. Novo Hamburgo: Sinopsys Editora.

Roberts, C., Freeman, J., Samdal, O., Schnohr, C. W., de Looze, M. E., Nic Gabhainn, S., Rasmussen, M. (2009). The Health Behaviour in School- -aged Children (HBSC) study: Methodological developments and current tensions. International Journal of Public Health, 54(2), 140-150. Doi: http://dx.doi.org/10.1007/s00038-009-5405-9

Silva, A. K. L. S. (2013). Diversidade sexual e de gênero: a construção do sujeito social. Revista do NUFEN, 5(1), 12-25. Recuperado em 19 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217525912013000100003&lng=pt&tlng=pt.

Spence, S. H. (1998). A measure of anxiety symptoms among children. Behaviour Research and Therapy, 36, 545-566.

Tomé, G., Matos, M. G. (2006). Rev. Brasileira de Terapias Cognitivas, 2(1), 85-93.

Tortorelli, M.F.P.; Carreiro, L.R.R. & Araújo, M.V. (2010). Correlações entre a percepção da violência familiar e o relato de violência na escola entre alunos da cidade de São Paulo. Psicologia Teoria e Prática, 12(1), 32-42. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v12n1/v12n1a04.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.33776/amc.v46i173-4.3644 ';



------------------------------------------------------------------

e-ISSN: 2173-6855   -   ISSN: 0211-7339

Entidad editora: Universidad de Huelva. Servicio de Publicaciones.

Licencia de uso: Creative Commons 4.0